Plástica Tocantins Plástica São Paulo Plástica Paraná Plástica Pará Plástica Maranhão Plástica Mato Grosso do Sul Plástica Bahia Plástica Alagoas Plástica Acre Plástica Espirito Santo Plástica Piauí Plástica Mato Grosso Plástica Ceará Plástica Minas Portal Plástica Sergipe Portal Plástica Pernambuco Portal Plástica Rio Plástica Santa Catarina Plástica Rondônia Plástica Paraiba Plástica Rio Grande do Sul Plástica Amazonas Plástica Amapá Plástica Rio Grande do Norte Portal Plástica Goiás Plástica Roraima Plástica Brasília

NARIZ - RINOPLASTIA ABERTA


Teleangiectasias e veias varicosas afetam aproximadamente 80 milhões de indivíduos por ano nos Estados Unidos. As teleangiectasias se localizam geralmente na face e pernas. Ao contrário, veias varicosas se localizam na região posterior da panturrilha ou face interna da perna. Embora não se conheça exatamente a causa das teleangiectasias e das veias varicosas, atribuí-se fatores genéticos, ganho de peso, flutuação hormonal da gestação, contraceptivos orais, e terapia de reposição hormonal, bem como permanecer sentado ou de pé por longos períodos de tempo. Além de indesejáveis, algumas formas de teleangiectasias e veias varicosas causam desconforto, dor na perna e por vezes outras doenças. A escleroterapia, tratamento mais comum, é seguro, eficaz e praticamente indolor, podendo ser usado no tratamento de teleangiectasias e veias varicosas.

3D Animation

Fluxo sanguíneo das pernas

Antes de saber como tratar a teleangiectasias e as veias varicosas usando escleroterapia, é necessário compreender o que causa o aparecimento de teleangiectasias e veias varicosas. O sistema circulatório é composto de artérias e veias. Artérias transportam sangue oxigenado do coração e pulmões para o organismo. Ao contrário, veias transportam sangue de volta ao coração e pulmões. As teleangiectasias e as veias varicosas ocorrem em maior frequência nas pernas, sendo conhecidas como veias superficiais. Isso se deve a fato de as veias estarem submetidas a grande pressão, precisando trabalhar mais ativamente que outras veias para realizar o transporte de sangue para o coração, contra força da gravidade.

Fluxo sanguíneo das pernas-.

Qual a causa das teleangiectasias e veias varicosas?

O sangue flui normalmente a partir dos vasos superficiais em veias profundas, conectadas através de veias perfurantes. Geralmente, as veias contam com válvulas unidirecionais que evitam o refluxo de sangue para a veia, em seu trajeto para coração e pulmões. Caso as válvulas das veias perfurantes ou veias superficiais não funcionam adequadamente, parte do sangue reflui e se acumula formando um pequeno “lago” venoso. À medida que o sangue se acumula, a pressão aumenta na parede da veia, causando enfraquecimento e tornando-a dilatada, ou distendida. Como resultado, formam-se as teleangiectasias e as veias varicosas na região.

Qual a causa das teleangiectasias e veias varicosas?

Diferenças entre teleangiectasias e veias varicosas

Embora de causa semelhante, teleangiectasias e veias varicosas não são iguais. Teleangiectasias são geralmente emaranhados de veias de tom azulado ou avermelhado abaixo da superfície da pele. Apresentam características semelhantes à teia de aranha, circulares, ou independentes de outras veias. Ao contrário das teleangiectasias, as veias varicosas são edemaciadas, em forma de cordão torcido com elevação na superfície da pele. Geralmente, mais profundas que as teleangiectasias, apresentam coloração violácea ou azulada, e podem causar dor, câimbras, aumento de volume, e fadiga nas pernas. Enquanto a escleroterapia é usada no tratamento de grande variedade de teleangiectasias e veias varicosas, o tratamento cirúrgico deve ser indicado para veias varicosas de médio e grande calibre.

Diferenças entre teleangiectasias e veias varicosas

Como funciona a escleroterapia

Durante a escleroterapia injeta-se uma solução química conhecida como agente esclerosante em vários pontos ao longo das teleangiectasias e veias varicosas. A escleroterapia é realizada geralmente com solução hipertônica, embora podem ser utilizadas outras soluções químicas ou formulações especiais. O agente irrita o interior dos vasos, que associado à compressão póstratamento causa colabamento da parede do vaso. Com o tempo, as veias são absorvidas pelo organismo, restabelecendo a aparência lisa e jovem da pele. Como outras terapias para remoção de veias, geralmente são necessários tratamentos múltiplos para se atingir os resultados desejados, embora a escleroterapia reduza significativamente a maioria das teleangiectasias e algumas veias varicosas pequenas.

Como funciona a escleroterapia

Preparação para o procedimento

O tratamento de escleroterapia é simples, ambulatorial e rápido, durando aproximadamente de 15 a 45 minutos. Como o procedimento é praticamente indolor, geralmente não se utiliza anestesia. Antes de iniciar o procedimento, a área tratada deve ser totalmente limpa usando-se uma solução de limpeza alcoólica.

Preparação para o procedimento

Procedimento de escleroterapia – Parte I

Para o procedimento utiliza-se uma agulha fina para injetar o agente esclerosante ao longo das teleangiectasias ou veias varicosas, em intervalos de aproximadamente de 2,5 cm. O agente esclerosante torna a veia esbranquiçada abaixo da superfície da pele.

Procedimento de escleroterapia–Parte I

Procedimento de escleroterapia – Parte II

Uma vez injetado, o agente esclerosante atua irritando o interior da veia, provocando inflamação. A compressão pós-procedimento associada à inflamação e edema causam colabamento da veia, fechando completamente o vaso e provocando sua retração. Às vezes, a veia se transforma em tecido cicatricial, sendo absorvido pelo organismo algumas semanas após o tratamento. A veia colabada não compromete o sistema circulatório, pois o sangue segue seu trajeto normal por outras veias íntegras.

Procedimento de escleroterapia – Parte II

Escleroterapia – Pós-prodecimento

Após a injeção é importante que a veia permaneça colabada. Portanto, pequenas bolinhas de algodão e curativo compressivo deve ser aplicado sobre a área tratada e recomenda-se o uso de meias de compressão para melhor cicatrização. Além de evitar que as veias tratadas se dilatem novamente, as meias de compressão auxiliam a prevenir a formação de coágulos nas veias colabadas.

Escleroterapia – Pós-prodecimento

Recuperação da escleroterapia

Após o procedimento pode haver discreta coloração amarronzada como um pequeno ferimento das áreas tratadas, embora esta alteração de coloração desapareça com o tempo. As veias tratadas desaparecem em poucas semanas, e se transformam em tecido cicatricial. Para tratar completamente as veias são necessários múltiplos procedimentos, com intervalos de 4 a 6 semanas. Embora o número de tratamentos varie de indivíduo para indivíduo, a maioria necessita de dois a quatro tratamentos.

Recuperação da escleroterapia

Resultados da escleroterapia

Os resultados do procedimento de escleroterapia dependem da espessura e extensão das veias que necessitam de tratamento. É importante notar que a escleroterapia pode não remover completamente as teleangiectasias e veias varicosas, nem prevenir o aparecimento de novas veias dilatadas. Ocorre melhora significativa em metade das veias tratadas, enquanto outras veias apresentem melhora apenas parcial. Contudo, a escleroterapia melhora significativamente a aparência geral, de maneira segura e eficaz, proporcionando a aparência lisa da pele, como desejado.

Resultados da escleroterapia

Cadastre-se para receber nosso informativo por e-mail
nome:
e-mail:

 
Dr. Leandro Almeida Madeira Campos
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 3120
RQE: 1643
TERESINA
Dr. Geraldo De Margela Lages Rebello
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 191
TERESINA
Dr. Adriana Rosa Milani
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 32347
TERESINA
Dr. Denyberg De Oliveira Santiago
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 2305
RQE: 206
TERESINA
Dr. Davis Oliveira Barbosa
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 2550
RQE: 761
TERESINA
Dr. José Gil Alves Júnior
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 1865
RQE: 898
TERESINA
Dr. Maurilio De Miranda Nunes
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 2692
RQE: 562
TERESINA
Dr. Raimundo Jose Martins De Sousa
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 906
RQE: 94
TERESINA
Dr. Rafael Ferreira Pereira Da Silva
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 3485
RQE: 1540
TERESINA
Dr. Darwin Lizot Rech
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 32147
TERESINA
Dr. Vanessa Rochele Soares Costa
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 3399
RQE: 1430
RIO DE JANEIRO
Dr. Euler Dave Cardoso Ribeiro Matos Silva
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 113904
TERESINA
Dr. Darwin Lizot Rech
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 32147
TERESINA
Dr. Thiago Ayres Holanda
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 3585
RQE: 1783
TERESINA
Dr. José Gil Alves Júnior
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 1865
RQE: 898
TERESINA
Dr. Antonio Carmelo Martins Macedo
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 1094
RQE: 74
TERESINA
Dr. Carlos Eduardo Feitosa Tajra
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 3820
TERESINA
Dr. Maurilio De Miranda Nunes
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 2692
RQE: 562
TERESINA
Dr. Arlitonio Sarmento De Araujo Costa
Cirurgião Plástico
CRM-PI: 2679
RQE: 1041
TERESINA
Listar Todos

Cirurgia Plástica é Com Cirurgião Plástico
Pesquisa Google
Cirurgias Plásticas
ABDOME - ABDOMINOPLASTIA CLÁSSICA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA EM ÂNCORA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA MINI
ABDOME - LIPOABDOMINOPLASTIA ABDOME - LIPOASPIRAÇÃO ÁCIDO HIALURÔNICO
ACNE - TRATAMENTO A LASER BIOPLASTIA BRAÇO - LIPOASPIRAÇÃO
BRAÇO - PLÁSTICA CABELO - EXPANSÃO DO COURO CABELUDO CABELO - REDUÇÃO DO COURO CABELUDO
CABELO - TRANSPLANTE CAPILAR CERATOSES CICATRIZES
CICATRIZES - TRATAMENTO A LASER CICATRIZES - TRATAMENTO CIRÚRGICO CIRURGIA CIRCUNFERENCIAL (360º)
CIRURGIA MICOGRÁFICA DE MOHS CISTOS COLÁGENO
CORPO - LIPOESCULTURA COXAS - IMPLANTE COXAS - LIFTING
COXAS - LIPOASPIRAÇÃO CRÂNIO E FACE - DEFORMIDADES CONGÊNITAS CRANIO MAXILO FACIAL
CULOTE - LIPOASPIRAÇÃO DEPILAÇÃO A LASER ESCLEROTERAPIA - REMOÇÃO DE VEIAS COM LASER
ESTRIAS - TRATAMENTO A LASER FACE - LIFITING DO TERÇO INFERIOR FACE - LIFITING DO TERÇO MÉDIO
FACE - MINILIFTING FACE - PLÁSTICA FACE - REJUVENESCIMENTO POR FIOS(RFA-ROUND BLOCK)
FISSURAS LÁBIO PALATO GLÚTEOS - LIPOASPIRAÇÃO GLÚTEOS - LIPOENXERTIA
GLÚTEOS - PRÓTESE HEMANGIOMAS HIPERIDROSE AXILAR
IMPLANTES DE BOCHECHA - MALAR LIFTING TESTA - CORONAL LIPOMAS
MAMA - IMPLANTE DE SILICONE MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO VIA AXILAR
MAMA - RECONSTRUÇÃO APÓS MASTECTOMIA MAMA - SUSPENSÃO MAMA - SUSPENSÃO COM IMPLANTES
MÃOS - REJUVENESCIMENTO A LASER MÃOS - REJUVENESCIMENTO ENXERTO DE GORDURA MICRODERMOABRASÃO
NARIZ - RINOPLASTIA ABERTA NARIZ - RINOPLASTIA FECHADA NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA FEMININA
NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA MASCULINA OLHEIRAS - TRATAMENTO A LASER ORELHAS
ORELHAS - SEM CORTE ORTOGNÁTICAS PÁLPEBRAS - INFERIORES (EXTERNA)
PÁLPEBRAS - INFERIORES (INTERNA) PÁLPEBRAS - OCIDENTALIZAÇÃO PÁLPEBRAS - SUPERIORES
PANTURRILHA - PRÓTESE PEELING QUÍMICO MÉDIO PEELING QUÍMICO PROFUNDO
PEELING QUÍMICO SUPERFICIAL PEITORAL - GINECOMASTIA PEITORAL - PRÓTESE MASCULINA
PESCOÇO PESCOÇO - LIPOASPIRAÇÃO PROTETOR SOLAR
QUEIMADURAS - CIRURGIA REPARADORA QUEIXO - IMPLANTE PRÓTESE QUELÓIDES - TRATAMENTO A LASER
QUELÓIDES - TRATAMENTO CIRÚRGICO REJUVENESCIMENTO DE PELE COM LASER RUGAS - TRATAMENTO A LASER
SINAIS - RETIRADA SOBRANCELHAS - IMPLANTE CAPILAR TESTA - LIFITING
TESTA - LIFITING COM ENDOSCÓPIO TORSOPLASTIA TRANSFERÊNCIA DE GORDURA
TRATAMENTO DE RUGAS TRATAMENTO DE TELEANGIECTASIAS TUMORES DE PELE - TRATAMENTO CIRÚRGICO
VERRUGAS
Movimento Nacional de Valorização da Cirurgia Plástica